exportacao

O que é exportação? Descubra tudo o que você precisa saber

Os processos de exportação são relativamente complexos e envolvem muita atenção para conduzir um trabalho assertivo e eficiente. Cada detalhe é muito importante, pois existe fiscalização de órgãos anuentes e governamentais como a Receita Federal.

As exportações são fundamentais para o equilíbrio da balança comercial brasileira, além de serem importantes para a composição do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Somente em 2021, foram movimentados mais de 280 bilhões de reais neste setor.

Este é um segmento que está em constante transformação e atualização de tecnologias, por isso é fundamental para qualquer profissional de comércio exterior, independente da função, conhecer suas particularidades.

Neste artigo, você entenderá de vez o que é exportação, como começar neste mercado, os impostos envolvidos e os principais produtos exportados pelo Brasil. 

O que é exportação?

Exportação é o processo de venda e envio de bens e serviços de um país para outro. Esse tipo de operação pode ter fins comerciais, com a venda de produtos, ou não, como doações.



Trata-se de algo fundamental para a economia brasileira e relações internacionais. Assim, como as importações, as exportações cumprem um papel importante para equilibrar a balança comercial do Brasil com as demais potências e parceiros comerciais, como a China, Estados Unidos, membros do Mercosul e potências européias.

Ocupamos uma posição importante no mercado livre internacional por conta dos recursos naturais, matérias-primas e força do setor agrícola e pecuário (entenda melhor mais abaixo na lista de “Principais produtos exportados pelo Brasil)”.

A potência das nossas exportações também é responsável por trazer interesse de investimentos internacionais, com empresas estrangeiras estabelecendo suas operações em solo brasileiro.

Objetivamente, se apenas importássemos, teríamos um fluxo de capital apenas para fora do país. O envio de mercadorias pro exterior ajuda na percepção de produção de qualidade por quem importa, além de promover o desenvolvimento de processos e competitividade entre nossos produtos e os internacionais.

Tipos de exportação

Hoje, existem quatro modelos de exportação: direta, indireta, por conta e ordem de terceiros e por consórcio de exportação. Abaixo, você entenderá exatamente as especificidades de cada uma.

Leia também: Tipos de exportação: quais são? Quais escolher? 

Exportação direta

A exportação direta é o modelo no qual a venda é faturada pelo próprio produtor que se relaciona diretamente com o importador. Como toda a negociação e despacho será conduzido pela própria empresa, ela deverá ter uma estrutura interna, com profissionais de comércio exterior que entendam todo o fluxo aduaneiro e seus custos.

Aqui, a empresa toma o papel de fabricante, exportadora e embarcadora. Ou seja, deverá se enquadrar às exigências do importador, do governo do país de destino e do próprio governo brasileiro. Ainda, ela precisará estar habilitada no Sistema Radar (sobre o qual saberá mais à frente no texto) e terá o nome inserido no conhecimento de transporte internacional como “embarcadora”.

Exportação indireta

A exportação indireta é o modelo não há relação direta entre o fabricante e o importador. O processo todo é conduzido por uma empresa intermediária, como as de trading e as exportadoras comerciais.

Normalmente, esse intermediário compra a carga do fabricante e a vende para o importador, negociando preços e condições comerciais. Assim, ela se torna efetivamente a exportadora do produto, seguindo os trâmites e burocracias aduaneiras.

Leia também: Importação e Exportação via Trading: como funcionam os processos? 

Por conta e ordem

No modelo por conta e ordem, a fabricante é quem contrata esse intermediário, podendo ser uma empresa de trading ou exportadora comercial. A contratada então atua como declarante, executa os trâmites e efetua a exportação de fato.

A principal diferença entre esse modelo e a exportação indireta é que a nota fiscal da venda é emitida pela fabricante.

Por consórcio de exportação

Os consórcios mesclam a possibilidade da exportação direta e indireta. Objetivamente, esse modelo toma forma com a organização das empresas, que operam de forma individual no mercado interno, mas se juntam para produzir e comercializar no mercado interno.

Essa junção ocorre na forma de cooperativas e associações sem fins lucrativos. Assim que se estruturam nessa composição, qualquer empresa do consórcio pode ser incluída como declarante no processo de exportação, assim como um operador logístico ou uma empresa comercial exportadora.

O destaque desse modelo para os exportadores é que cada um consegue manter individualmente seus tratamentos fiscais, cambiais e tributários.

Como começar a exportar

O mercado de exportação é extremamente atrativo (principalmente em períodos de alta do dólar e demanda no mercado internacional), por isso não é estranho que surjam interessados diariamente em saber como ingressar nele.

Mas, como avisamos no início, trata-se de uma área com uma complexidade ímpar, pois envolve muita atenção aos detalhes e estudo. Os profissionais precisam ter noções claras de mercado (nacional e internacional), se planejar e, naturalmente, obter as certificações necessárias

Confira uma lista resumida do que é necessário para começar a exportar:

  1. Estude muito! Pesquise mercados, processos que sua operação precisará adotar, quem serão seus concorrentes, preços e margens de lucro e faça muitos benchmarks com outros profissionais para absorver seus conhecimentos
  2. Escolha um nicho ou área de atuação sem partir de achismos. Seus estudos anteriores darão as perspectivas necessárias para você selecionar.
  3. Pesquise desde já clientes e possíveis demandas que você já poderá absorver.
  4. Conheça os riscos! Você está operando num mercado delicado e que sofre influência forte de relações internacionais, crises econômicas, guerras e inflação.
  5. Avalie o investimento necessário, pois pode ser que você não tenha, de cara, o capital de giro e a receita necessária para tomar algumas operações.
  6. Conheça os trâmites, burocracias e processos aduaneiros, afinal não adianta atuar em um mercado em que você não conhece suas responsabilidades. Seu ponto de estudo inicial deve ser o Novo Processo de Exportação.
  7. Obtenha sua habilitação no Radar Siscomex para poder começar a operar.

Está pronto e certificado para operar? Lembre-se de fazer um acompanhamento sistemático e assertivo das informações, impostos, licenças e tudo que for necessário para sua operação manter-se em conformidade com as obrigações legais e tributárias.

Habilitação no Radar Siscomex

O Radar (Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros) é uma habilitação obrigatória para utilizar o Siscomex (Sistema Integrado de Comércio Exterior). É um sistema informatizado responsável por integrar as atividades de registro, acompanhamento e controle das operações de Comércio Exterior.

Inclusive, existem 5 modelos de habilitação que podem ser obtidas:

  • Pessoa Física
  • MEI
  • Radar Expresso
  • Radar Limitado I e II
  • Radar Ilimitado

E, finalmente, para obtê-la, a pessoa ou empresa precisará atender a esses requisitos: 

  • Ter aderido ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTE);
  • Obter o enquadramento da inscrição no CNPJ em situação cadastral igual a “ativa”;
  • Enquadramento da inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) de todas as pessoas físicas integrantes do Quadro de Sócios e Administradores (QSA) com qualificação nos termos do Anexo V da Instrução Normativa RFB nº 1.863/2018, em situação cadastral igual a “regular” ou “pendente de regularização”;
  • Capacidade operacional, econômica e financeira necessária à realização de seu objeto e atuação no Comércio Exterior;
  • Não estar desabilitado em razão das hipóteses previstas em procedimento fiscal de revisão de ofício, por exemplo;
  • Não estar desabilitado em decorrência de suspensão, cancelamento ou cassação de sua habilitação para atuar no Comércio Exterior.

Saiba mais sobre o Radar Siscomex neste artigo: Habilitação RADAR: veja as etapas para legalização na Receita Federal 

Novo processo de exportação

O Novo Processo de Exportação começou a ser implantado com a chegada do Portal Único Siscomex. Na modalidade, exportador foi introduzido um novo fluxo simplificado e centralizado para trâmite de documentos e licenças, emissão de Notas Fiscais e a geração da Declaração Única de Exportação (DU-E).

Com ele, o governo almeja mais agilidade e automatização nos processos, principalmente no fluxo de autorizações e licenças que eram feitas de forma linear e, com o novo processo, poderão ocorrer de forma paralela, o que tornará mais rápido o despacho e liberação de cargas nos terminais.

Entenda tudo sobre o Novo Processo de Exportação neste artigo: Novo processo de exportação: como era, como ficou e como utilizar a plataforma 

Impostos de exportação

No Brasil, existe uma série de tributos que incidem no transporte das cargas, além do Imposto de Exportação, que incide sobre dois casos específicos. Veja quais são os impostos, bem como algumas possíveis isenções atrelados a eles:

  • IPI, ICMS, Cofins, PIS e ISS – há isenção sobre todos esses impostos e receitas oriundas de exportação de produtos industrializados e serviços. O ICMS também é isento para produtos primários e semielaborados. 
  • Imposto de Exportação (IE) – incide apenas sobre a exportação de “Cigarros que contenham tabaco” e “Armas e munições, suas partes e acessórios”.

Incoterms

Os Termos Internacionais de Comércio (Incoterms) são parte fundamental das operações de exportação. Mesmo não sendo mandatórios ou obrigatórios, eles servem como um modelo amplamente utilizado e aceito pela maioria dos países do mundo, incluindo o Brasil, deixando claro quais serão as funções de cada um dos agentes envolvidos na negociação.

Eles podem, por exemplo, ser utilizados para determinar de quem é a responsabilidade de controle e custos sobre o transporte e armazenamento de determinadas cargas.

Mais profundamente, essas são as definições aplicadas:

  • Local onde deve ser entregue
  • Quem paga o frete internacional
  • Em qual momento se paga o frete (na origem ou no destino)
  • Quem deve pagar os encargos da importação ou exportação
  • Quem paga o seguro da carga
  • Qual o risco do comprador
  • Qual o risco do vendedor

Existem ainda, vários Incoterms diferentes, de acordo com a natureza do produto, o modal transportado e as obrigações de cada ator do processo. São eles:

  • Incoterm EXW
  • Incoterm FCA
  • Incoterm FAS
  • Incoterm FOB
  • Incoterm CPT
  • Incoterm CIP
  • Incoterm CFR
  • Incoterm CIF
  • Incoterm DPU
  • Incoterm DAP
  • Incoterm DDP

Para saber mais, leia: Incoterms: o que são? Quais os principais tipos? Quais escolher? 

Principais produtos exportados pelo Brasil

Como falamos anteriormente, o Brasil tem uma posição de destaque no mercado internacional, muito por conta de nossas riquezas naturais e cultura agropecuária. Ou seja, nossas plantações de grãos e cana-de-açúcar, os amplos pastos, a extração de minérios e a presença das reservas de petróleo do pré-sal saltam aos olhos dos demais países (por interesse comercial e por necessidade de abastecimento).

Além dos negócios com as duas maiores potências econômicas do planeta, China e Estados Unidos, temos acordos sólidos com outras grandes economias (como Japão, Espanha, Holanda etc.) e fazemos parte do Mercosul, bloco econômico fundamental para fomentar as transações no continente sulamenricano.

Entre diferentes necessidades de abastecimento e objetivos, estes são os produtos mais exportados pelo Brasil para outros países:

  1. Minério de ferro e seus concentrados, exceto as piritas de ferro ustuladas (cinzas de piritas)
  2. Soja mesmo triturada, exceto para semeadura
  3. Óleos brutos de petróleo
  4. Circuitos impressos com componentes elétricos ou eletrônicos, montados
  5. Outros aviões e outros veículos aéreos, de peso superior a 15000 kg
  6. Outros açúcares de cana
  7. Carnes desossadas de bovino, congeladas
  8. Pastas químicas de madeira, à soda ou ao sulfato, exceto pastas para dissolução
  9. Bagaços e outros resíduos sólidos, da extração do óleo de soja
  10. Café não torrado, não descafeinado, em grão

Veja mais detalhes sobre esses produtos neste artigo: Principais produtos exportados pelo Brasil: dados e estatísticas 

Como pesquisar informações de exportação no Logcomex Product Search Export

Essa é a tela inicial do Logcomex Product Search Export

Vamos pesquisar informações do código NCM de 07133190, para “Feijões das espécies Vigna mungo (l.) Hepper ou Vigna radiata (l.) Wilczek, secos, em grão, mesmo pelados ou partidos”.

Assim, você obtém um panorama completo da exportação do produto.

Você tem acesso a valor exportado, peso exportado, diferenciação por NCM, modais, país de destino, unidades de desembaraço, exportações por estado e detalhes dos embarques. Se interessou? Agende uma demonstração!

1 comentário em “O que é exportação? Descubra tudo o que você precisa saber”

  1. Pingback: INCOTERM EXW: como funciona? Quais as vantagens?

Comentários encerrados.