Quem é a Alemanha perante o Comércio Exterior Brasileiro?

Quem é a Alemanha perante o Comércio Exterior Brasileiro?

Inicio uma nova série de textos com o objetivo de conhecermos outros países e sua relação com o Comércio Exterior brasileiro.
Começaremos falando dela, a 3º maior economia mundial, considerada por muitos a principal responsável pela relevância atual da União Europeia.
Nação de povo reservado, mas que não poupa o uso de consoantes no idioma materno.
Famosa de fato pela Oktoberfest, pelas cervejas, pretzels, linguiças, chucrute e outros pratos que causam sono em demasia.
Terra natal de Einstein, Noturno (X-Men) e Beethoven (o pianista, não o cachorro).
Grande compradora de café, cobre, motores de pistão e celulose do Brasil.
E, mesmo sendo a 3ª maior fornecedora do Brasil, não lembrou disso na Copa do Mundo de 2014 – sim, amigas e amigos, hoje falaremos da Alemanha!

Geografia e demografia da Alemanha.

  • Área total: 357.022km²
  • População: 82,9 milhões
  • Densidade: 230 hab/km²
  • IDH: 0,939 (Quanto mais perto 1, de melhor)

Localizada no centro do continente Europeu, banhada pelo Mar do Norte e Oceano Báltico, sua grande área faz fronteira com 9 países: Países Baixos, Bélgica, Luxemburgo, França, Suíça, Áustria, Tchéquia, Polônia e Dinamarca.

Big Data - LogComex

Ocupa o posto de maior população da Europa, ostenta o 4º maior IDH do mundo e a 22ª colocação no Índice Global de Paz, embora seja previsto declínio no número de habitantes até 2024.

Uma vez que a Alemanha se submete ao sistema de Governo Parlamentarista, o presidente tem um papel mais simbólico e quem move mesmo o país, politicamente, é a Chanceler.

Angela Merkel, do partido União Democrata-Cristã (Centro-Direita), ocupa o cargo desde 2005 e, mesmo depois de tanto tempo e governando durante a pandemia, a satisfação de seu governo é superior a 70%, foi considerada pela Forbes a quarta pessoa mais poderosa do mundo.

Dados econômicos.

  • Moeda: Euro
  • *PIB: US$4,4 Trilhões
  • *Desemprego: 3,4%
  • *Inflação: 1,9%
  • *Dívida pública: 59,8% do PIB

*2019 – Heritage.org

Chegar na casa dos trilhões é, de fato, para poucos: a posição de 4ª maior economia representa 4,6% da economia global.

Sem dúvida que tal posição não foi conquistada de uma hora para outra. Analisando 30 anos de PIB, nota-se o estável crescimento e resiliência para continuar no mesmo ritmo após a crise imobiliária de 2008 (única forte queda no período).

Gráfico do PIB da Alemanha, de 1989 até 2019.

Vimos que o território e a população alemã não são pequenos, no entanto não chegam perto da Rússia ou Índia respectivamente; o que destaca a Alemanha é a sua liberdade econômica e competitividade global.

Pontuação de Liberdade Econômica da Alemanha em 2020.

Não apenas encontra-se bastante à frente da média mundial, ocupando “apenas” a 27ª posição, é importante ressaltar que os primeiros colocados são países menores em território e população, como Singapura, Nova Zelândia e Hong Kong.

De acordo com o relatório, apesar do sistema legal, tributário e contábil ainda serem complexos, eles compensam na transparência. O direito à propriedade por estrangeiros é protegido por lei, o sistema judiciário é independente e competente e raros são os casos de corrupção, e quando ocorrem são devidamente julgados e punidos.

Outros pontos que favorecem o desenvolvimento da liberdade econômica são a saúde fiscal e a liberdade para negócios, comércio e investimento, em contraste com o excessivo gasto governamental e alto custo na legislação trabalhista, que ancoram a evolução. 

A Alemanha no Comércio Internacional.

A Alemanha é membro de todos os organismos internacionais tradicionais, desde a ONU (1973), o FMI (1952) e a OMC (1995), até também os mais seletivos, como a OCDE (1961) e o G7. 

É também importante membro da OTAN desde 1955 (apenas o lado ocidental), em virtude de possuírem o quarto maior poder militar do mundo.

Importante lembrar que China e Estados Unidos nos ensinam que é possível guerrear sem armas. 

Exportações e Importações

A enorme participação alemã no Comércio Exterior é inegável, 87,2% do PIB é oriundo de importações e exportações, com efeito de classifica-los em 2018, como a 3ª maior participante do comércio mundial de produtos.

Caramba, Alemanha, nem vou comparar com o Comércio Exterior brasileiro…

Por consequência, a logística de carga também se destaca: o porto de Hamburgo foi o 19º maior em movimentação e o aeroporto de Frankfurt o 11º.


Aeroporto de Frankfurt, Alemanha

E não é uma questão de volume: suas exportações constam primordialmente produtos de alto valor agregado.

  1. Macjinery including computers: US$ 260.7 billion (17.5% of total exports)
  2.  Vehicles: $ 243.7 billion (16.4%)
  3. Electrical machinery, equipment: $ 158.7 billion (10.7%)
  4. Pharmaceuticals: $ 90.4 billion (6.1%)
  5. Optical, technical, medical apparatus: $ 79.3 billion (5.3%)
  6. Plastics, plastic articles: $ 63.2 billion (4.3%)
  7. Aircraft, spacecraft: $ 42.3 billion (2.8%)
  8. Mineral fuels including oil: $ 34.2 billion (2.3%)
  9. Articles of iron or steel: $ 31.3 billion (2.1%)
  10. Other chemical goods: $ 26.3 billion (1.8%)
    Top 10 principais produtos exportados pela Alemanha em 2019.

Além disso, é impressionante quão diversificada é a carteira de países para os quais a Alemanha exporta (o mesmo ocorre na importação).

Note que nenhum deles possui participação superior a 9%.


Principais parceiros de exportação da Alemanha em 2017.

Essa diversificação garante segurança econômica, desse modo, caso um país parceiro passe por dificuldades, é mais fácil para ela negociar com outros países.

Essa é uma das qualidades que garante a 7ª colocação no Ranking de Competitividade Global.

Ranking de Competitividade Global da Alemanha (2019).

A nota 100 refere-se a estabilidade Macroeconômico, de acordo com tudo que já visualizamos. O que a Alemanha precisa melhorar (comparado, a si mesma) em primeiro lugar é, na adoção de tecnologias de informação e comunicação (70) e em segundo, no desenvolvimento de seu Mercado de Produto (68).

A título de curiosidade (ou tristeza), o pilar do Brasil com nota mais alta é 79 e mais baixo, 46.

O Comércio Exterior brasileiro com a Alemanha.


Comexvis

Por certo que o 3º maior mercado mundial é um importante parceiro comercial nosso, mas estamos perdendo mercado.

Temos perdido espaço nas exportações desde 2011, mesmo apesar de nossa moeda desvalorizar nos anos seguintes.

Gráfico do histórico anual das exportações (verde) e importações, Brasil e Alemanha.

Similarmente ocorre na importação, importar produtos de valor agregado representam investimento, novos negócios e aumento da empregabilidade.

Se desejamos que o acordo Mercosul x União Europeia saia do papel, precisamos negociar forte com o seu principal membro.

De maneira idêntica ocorre com os produtos brasileiros de maior participação no mercado Alemão, eles estão em queda desde 2015.

Produtos brasileiros com maior participação no mercado da Alemanha, 2015 a 2018 – APEX

Apesar deste declínio entendo que a recuperação é possível, exportamos os mais variados produtos, predominamos da Indústria da Transformação – que tem maior valor agregado –, portanto, é possível desenvolver em diversos mercados.

Ao menos para primeiramente, termos saldo positivo nas exportações e importações.

Visão Geral dos Produtos Exportados, 2019 – Destino Alemanha

Em contraste com a exportação, importamos da Alemanha os produtos de maior valor agregado (praticamente os mesmos que vimos anteriormente no Top 10).

Visão Geral dos Produtos Importados, 2019 – Origem Alemanha

E você, amiga(o)?

O que achou de conhecer a Alemanha e o Comércio Exterior brasileiro com ela? A forma apresentada foi interessante e dinâmica? Que conclusões você tem com essas informações? Tem outros dados para complementar? Compartilha com a gente nos comentários para engrandecer o assunto.

Artigo escrito por Jonas Vieira
Consultor, Escritor e Produtor de Conteúdo de Comércio Exterior
LinkedInInstagramPodcastjonas-vieira.com