Quantos Kits de Teste e Máscaras Descartáveis importamos em março?

Quantos Kits de Teste e Máscaras Descartáveis importamos em março?

Analisamos o comportamento das importações de alguns kits de teste e máscaras descartáveis no mês de março, o que só é possível graças ao Big Data no Comércio Exterior, que permite analisar os dados logísticos com informações básicas de nosso trabalho, tais como NCM e descrição de mercadoria.

Com tais dados, descobrimos que os primeiros quinhentos mil kits de teste comprados pela Vale foram consignados ao Ministério da Saúde e que uma empresa privada importou dos Estados Unidos mais de trezentos e sessenta mil máscaras descartáveis.

Big Data - LogComex

Ambos casos no modo aéreo.

Analisaremos ao longo do texto outros dados interessantes desses dois produtos, a origem, INCOTERMS e modal de embarque, a fim de que possamos ao final discutir e especular nos comentários.

Critérios de pesquisa.

Para levantar os dados desse texto, foi utilizado o Big Data da Logcomex aplicando os seguintes critérios: 

  • Importações realizadas em março de 2020.
  • Para Kits de Teste consideramos a classificação fiscal 3822.00.90, que contenha na descrição da mercadoria a palavra “COVID”. 
  • Para as Máscaras Descartáveis, consideramos a classificação fiscal 6307.90.10, que contenha na descrição da mercadoria as palavras “mascara descartavel” (sem acento mesmo).

Utilizamos estas palavras-chave para encontrar os produtos que procuramos dentro de cada NCM.

Os resultados não contemplarão quantos produtos importamos exatamente, mas evitará que contabilizemos kits de teste para outras doenças ou máscaras que não sejam descartáveis.

Informações logísticas das importações de Kits de Teste e Máscaras descartáveis.

Foram mais de três milhões e duzentos mil dólares (FOB) em máscaras descartáveis e kits de teste, importado principalmente da China, Coreia do Sul e Estados Unidos. 

Naturalmente que as compras foram concentradas nas duas maiores economias do mundo, que são também nossos dois principais parceiros comerciais.

Origem da Importação das Máscaras Descartáveis em março de 2020. – Logcomex

Origem da Importação dos Kits de Teste em março de 2020. – Logcomex

Tudo fica ainda mais interessante ao analisarmos os dados logísticos.

Modo de embarque utilizado nas importações das máscaras e kits de teste em março de 2020. – Logcomex

Em virtude de serem produtos leves e pequenos, além da legítima urgência (diferente do cliente berrando “A FÁBRICA VAI PARAR”), o embarque aéreo teve expressiva representatividade.

A importação das máscaras descartáveis valeu-se equilibradamente do transporte aéreo e marítimo, o que ajuda na redução de custos em razão do frete aéreo ter mais que quadruplicado de valor. 

Porém, como as demandas de produtos variam conforme a evolução da contaminação por região, o embarque aéreo continuará expressivo.

Em resumo, das cento e vinte e duas mil, trezentos e dez máscaras, um pouco mais de setenta mil vieram por mar.

Além dos aspectos físicos favoráveis, vemos em suma a gigante doação de kits de teste pela Vale quase esconder o embarque marítimo no gráfico.  

Como resultado, dos seis mil e oitenta e três quilos importados, mais de cinco mil, seiscentos e cinquenta vieram voando. 

INCOTERMS utilizados nas importações das máscaras e kits de teste.

INCOTERMS utilizados nas importações das máscaras e kits de teste em março de 2020. – Logcomex

Importante frisar, antes que interpretemos incorretamente com os dados anteriores, que estas porcentagens são apuradas considerando o número de processos, independente de peso e valor.

Como as máscaras descartáveis tiveram o uso dos modos aéreo e marítimos mais equilibrados, vemos maior variedade de INCOTERMS diferentes no gráfico, o que indica haver mais exportadores e importadores em comparação aos kits de teste. 

A importação das máscaras teve frete predominantemente contratado no Brasil (Collect), enquanto a dos kits de teste fora providenciada pelo Exportador (Prepaid), provável que principalmente para os embarques em aviões fretados.

Unidade de desembaraço utilizada nas importações das máscaras e kits de teste.

Unidade de desembaraço utilizada nas importações das máscaras e kits de teste em março de 2020. – Logcomex

Reforço meu entendimento de que há variados importadores comprando máscaras descartáveis ao analisar as Unidades de desembaraço utilizadas.

Há certo equilíbrio inclusive entre os quatro mais utilizados (respectivamente: Itajaí, Viracopos, São Francisco do Sul e São Paulo), assim como há recintos de Santa Catarina e Espírito Santos, bem provável por estarem usando os tratamentos tributários diferenciados para reduzir o custo do ICMS. 

Como os kits de teste foram importados quase em sua totalidade por avião, Viracopos sendo nosso principal aeroporto de carga aparece naturalmente como o mais utilizado.

 

E você, amiga(o)?

Apresentamos estes dados mais a título de curiosidade e como uma amostra do que podemos descobrir com Big Data, mas dados por si só não ajudam, é preciso saber o que fazer com eles, para que lhe ajudem, por exemplo, na performance da operação, a detectar movimentações atípicas e também em suas vendas.

Que outras conclusões, mesmo que especulativas, você tem sobre estes kits de teste e máscaras descartáveis que importamos? Há outros bancos de dados que esteja utilizando? Conte para mim e para os demais leitores nos comentários. 

 

Jonas Vieira
Consultor de Comércio Exterior e Produção de Conteúdo
LinkedInInstagramPodcastjonas-vieira.com