Como o transporte de contêineres pode se reinventar para a era digital

Como o transporte de contêineres pode se reinventar para a era digital

Como o transporte de contêineres pode se reinventar para a era digital

Quando McKinsey investigou a “containerização” em 1967, descobriu que os grandes nomes da indústria teriam que repensar tudo. Seria agora, a hora de pensar em tudo novo, de novo?

Em 1967, o British Transportation Docks Board (BTDB) concedeu acesso a McKinsey para avaliar um desenvolvimento recente da América: caixas de contêiner. Os primeiros navios construídos exclusivamente para a nova forma de envio de cargas haviam sido lançados recentemente, e algumas linhas americanas ainda faziam o transporte de contêineres de forma tradicional. O relatório aconselhou o BTDB a repensar tudo em virtude dessa mudança. Hoje, a indústria é movimentada por outras mudanças: tecnologias digiais, big data, as coisas da internet. Vamos imaginar como será daqui 50 anos:

Big Data - LogComex

Os navios autônomos de 50mil TEU2 dominarão os mares – talvez ao lado de contêineres modulares flutuantes controlados por drones – e o volume e contêin eres será de duas a cinco vezes o que é hoje.

O tráfego intra-regional de circuitos pequenos aumentará à medida que os rendimentos globais convirjam, a automação e a robótica dispensem traços manufaturados. Os fluxos de contêineres no Extremo Oriente permanecerão enormes, e a segunda linha mais importante do comércio, pode vincular com a região da África, com uma parada no sul da Ásia.

Após a acumulação de excesso de capacidade e ciclos de consolidação, três ou quatro grandes empresas de transporte de contêineres podem emergir: digitalmente habilitados e independentes com uma forte orientação ao cliente e com práticas comerciais inovadoras, ou pequenas subsidiárias de gigantes tecnológicas que combinam o digital com o físico. O encaminhamento do frete como um negócio autônomo estará praticamente extinto, uma vez que as interações digitais reduzirão a necessidade de intermediários. Os vencedores, estarão rigorosamente conectados através de ecossistemas de dados, com digitalização total de dados dos clientes e sistemas operacionais.

Uma cadeia de transporte totalmente autônoma se estenderá do carregamento, estiva e navegação, para descarregar diretamente em trens e caminhões autônomos com entregas por drones.

Alguns clientes estarão preparados para pagar por fornecedores de logística de contêineres totalmente integrados em suas cadeias de suprimentos. Outros continuarão a exigir o frete marítimo mais barato. Ambos esperam que a transparência seja norma, e não a exceção.

Para uma indústria que sofre com a desaceleração no crescimento do comércio, esta é uma previsão assustadora. O que os executivos podem fazer para compreender isto?

grafico

Em primeiro lugar, as companhias de navegação devem investir em tecnologias digitais para diferenciar seus produtos, aumentar o valor agregado do serviço, melhorar o atendimento ao cliente, aumentando assim a produtividade e reduzindo os custos. O risco é que os gigantes da tecnologia rompam e captem a maior parte do relacionamento com os clientes, movendo-se mais rápido do que os operadores históricos.

Em segundo lugar, integração. As inovações da próxima geração terão de ser orquestradas em toda a cadeia de valor. Operadoras e terminais compartilham uma agenda especialmente rica: maiores embarcações emparelhadas com investimentos em infra-estrutura para terminais, chegadas de navios transparentes e atracação de maiores contêineres. Os provedores da logística integrada podem tornar irrelevantes os encaminhadores de mercadorias, dominando a complexidade e interface do cliente.

E por último: seja ousado. A indústria naval foi construída sobre a visão de diferentes líderes que ousaram navegar pelas tempestades. Embora agora enfrente mais um momento de quebra na linearidade – desta vez com as tecnologias digitais – há um caminho para as empresas dispostas e capazes de aproveitar o dia.

Baixe o relatório completo (em inglês) > Envio de Contêineres: os próximos 50 anos, para uma explicação mais completa de onde a indústria está indo e como ela pode chegar lá.

 

Fonte: McKinsey & Company